sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #25




Semana #25, vamos a isso...

Turnstile - I Don't Wanna Be Blind - Esta é já se não me engano a 4 música nova de Turnstile que eles divulgam do disco novo que sai de hoje a uma semana (23/02). É talvez a menos orelhuda das 4 músicas e a que foge um pouco mais, ou então não. O que é certo é que não é das que entra à primeira. Mas à medida que fui ouvindo mais vezes durante a passada semana, mais fui curtindo. Novos pormenores fui descobrindo e isso para mim é muito bom quando acontece. Tenho a certeza que este vai ser dos meus discos preferidos de 2018.

The Wonder Years - Sister Cities - Os TWY vão editar o disco novo pela Hopeless Records dia 06/04, mas já disponibilizaram o primeiro single. Quantas mais vezes ouço esta música, mais me faz lembrar Alkaline Trio. Tem todas aquelas características de ALK3 clássico, lick de guitarra no inicio, parte de baixo bateria e voz no verso com aquele ritmo do tanana tanana tanana... Quem conhece bem ALK3 vai perceber. E isso é mau? Negativo, a música é boa e entra no ouvido rapidamente. E nesta onda às vezes é o que se quer. Ao vivo a banda é muito boa. Fiquei com pica para ouvir este novo disco.


Blacklisted - Dry Shaving - Parece que no verão passado, duas músicas que ficaram de fora do último disco de Blacklisted por serem demasiado diferentes do resto do disco foram editadas num flexi pela Six Feet Under. Ouvindo esta Dry Shaving sou capaz de perceber porquê. No entanto ainda bem que a colocaram cá fora. Blacklisted merece sempre ser ouvido.

Rapture - Talk Is Cheap - Os Rapture são de Leeds e para os mais distraídos (como é o meu caso) editaram um 7" bastante interessante no ano passado. A cena do UK parece ser neste momento das mais sólidas não só na Europa como a nível mundial quando se fala de Hardcore. Youth Crew hardcore, mas sem ser cliché chato, com uma miúda a cantar que dá ao disco aquele toque extra que faz logo a banda ser mais interessante. Fans de Straight Ahead, Insted e Uniform Choice, ou seja pessoal com mais de 35 vão achar muita piada a isto.

Rolo Tomassi - Aftermath - Tive a oportunidade de conhecer a banda aquando da passagem por cá a fazer o suporte dos While She Sleeps no inicio de 2018 e confesso que fiquei fã. Se eles não fossem todos tão simpáticos e easy going se calhar não prestava tanta atenção à banda, mas a verdade é que acho que ganharam um fã. Os trabalhos iniciais da banda eram muito mais mathcore ou lá como se chama, com riffs nervosos e mudanças de tempo bruscas. Basicamente era uma fritaria. A julgar por este single, estão a entrar por um caminho mais melódico. Pessoalmente gosto. Espero que vocês também.


Game - Game - Querem mais um bom exemplo de como a cena no UK neste momento é das melhores no mundo? Ouçam primeiro Game, depois se vos disser que é a boss da Quality Control a Ola a cantar vocês acreditam?! Eu só me apercebi quando fui investigar mais sobre a banda. Hardcore sujo e cheio de veneno, letras em inglês e em polaco. E com este veneno todo ficamos por aqui. Até pra semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #24



A semana #24 tem um bocadinho menos de Hardcore que o normal, mas estamos preparados para receber os vossos e-mails de protesto, os vossos tweets enraivecidos e coise... Siga! 

Dead To Me - Fear Is The New Bliss - Os Dead To Me são uma das novas bandas de Punk Rock que mais gosto, mas a brincar a brincar já têm mais de 10 anos. E desde o primeiro disco que cada disco novo teve mudanças de line-up o que não ajudou à estabilidade da banda. Parece que o vocalista/baixista "Chicken" sempre teve alguns "substance abuse issues" o que pode explicar alguma coisa. O que é certo é que a banda está de volta para o quarto longa duração e este é o primeiro single. Não é a melhor música deles, mas tem aquele ritmo de bateria mais "dançante" no refrão que lhe é característico. Esta vem com vídeo e tudo. Enjoy! P.S. - Depois de ver o vídeo e ler a letra ainda gosto mais da música. Vêm aí um bom disco!
 

We Were Sharks - Hotel Beds - Nem sei bem por onde começar. Quando me deparei com esta música pela primeira vez durante a semana passada não conhecia nada acerca da banda (não é como se agora soubesse grande coisa) e fiquei surpreendido com uma boa malha Pop Punk. Tudo certo, esta pode ir para a playlist, o Tiago vai adorar, pensei eu. Depois fui pesquisar um pouco e descobri que a banda é da Victory Records. Sim estamos em 2018 e a Victory Records não só ainda existe como edita bandas de Pop Punk. Vi também que a banda tem um vídeo desta música nova e obviamente como bom profissional fui ver para completar a minha pesquisa. Não é que o vídeo seja mau, que não é. Cumpre os objectivos a que se propôs. O que me fez mais confusão é que os membros da banda estão claramente velhos demais para tocar este tipo de som. Não estou a querer soar close minded, mas parecem os irmãos mais velhos dos Neck Deep ou algo do género. Após o choque inicial pensei para comigo, deixa de ser parvo que isto bem que podias ser tu se aquela banda de Punk Rock tivesse ido para a frente ou se Clean Break algum dia gravasse um vídeo. E pronto é isso. O disco sai dia 23.02 e é certo que irei ouvir. Aqui fica mais um vídeo.


Linda Martini - Boca de Sal - Hoje em dia, e o Rafael Madeira que me perdoe, acho que sou capaz de conseguir dizer que até gosto de Linda Martini. Pelo menos as cenas que tenho ouvido têm-me despertado o mínimo interesse. Nunca irá ser a minha banda preferida, mas acho que lhe consigo atribuir o devido valor. Esta música nova parecem duas coladas e também tem vídeo. Aqui vai ele...


Tiny Moving Parts - Applause - Tinha ideia que esta banda era um pouco diferente, mas provavelmente estou a confundir com outra banda. Estes tocam um Pop Punk com guitarras um pouco mais trabalhadas. Já ouvi o disco novo um par de vezes e curti. 

Razorbumps - Make You Bleed - Este disco já saiu há algum tempo pela Pop Wig, a editora dos Turnstile, Angel Du$t, Firewalker, etc e é aquele Post Punk bem freaky. Tem a sua piada.  

Sannyasin - Firewalker - Para mim os Sannyasin são a melhor banda de Hardcore portuguesa de sempre a par de X-Acto. Finalmente com a discografia disponível no Spotify. De ouvir no repeat vezes sem conta. Até prá semana! 

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #23




A primeira actualização de Fevereiro já chegou em modo Montanha Russa, uma malha a rasgar, uma malha fofinha... uma malha a rasgar... já sabem como é né?

Primal Rite - Antivenom - A Revelation de vez em quando ainda põe cá fora uns discos. Este é o primeiro de 2018. Primal Rite são de S. Francisco, USA e tocam aquele hardcore sujo, meio crossover, sendo mais Hardcore que muitas que tentam fazer a mistura. O disco já saiu e acho que até merece algumas rodagens mais atentas. Não vai ser nenhum clássico, mas também não envergonha ninguém.

Camp Cope - How To Socialise & Make Friends - Estas miúdas australianas tocam um lo fi rock/emo super fofinho e quem não gosta de músicas fofinhas de vez em quando? A maneira como a vocalista coloca a voz faz-me lembrar um pouco o gajo de Modern Baseball que parece que está a falar ou a contar uma história. Sei perfeitamente que isto pode não ser para todos, mas estamos em 2018 e o pessoal do core já não precisa de ouvir só exclusivamente HC. Ou então não... haha! 

Suicidal Tendencies - Nothing To Lose - Quem teve oportunidade de ir a Corroios no ano passado com certeza se lembra da sauna e caos que foi. É incrível a pujança e a energia que mantêm durante um set tão longo e depois de destilar tanto suor. E o Dave Lombardo na bateria.... (estou a fazer o movimento de vénia ok?!). E parece que 2018 vai ser um ano busy para a banda que vai editar um EP e um novo LP. Esta não vai ser um clássico, mas vai-se papar bem no meio do set.

Big Cheese - T.C.P. - Não meus amigos e amigas, esta malha não foi gravada no final dos anos 80 em NYC. Uma das melhores bandas mais recentes do UK. Espero bem que esta banda e toda a cena do UK se mantenha forte nos próximos anos, é essencial para a cena Europeia (Brexit?!) e mundial! Bandas boas como esta não aparecem todos os dias.

Teenage Wrist - Dweeb - Uma das mais recentes bandas da Epitaph para fazerem companhia aos Pianos Become The Teeth. Acho que quem me falou disto primeiro foi o Rafael Madeira (Rei do Emo na América Latina) e não é que isto é mesmo bom!! Aquele post hardcore meloso a fazer lembrar By A Thread, Balance & Composure e algumas bandas da Run For Cover. O disco vai sair em Março e vai já para a lista. Boa descoberta!

D.C. Disorder - Put To The Test - OK, já sei, esta vem com um ano de atraso... mas ao menos chegou. Nalgumas coisas do core estou um bocado como aquelas aldeias isoladas no meio do nada. As coisas demoram a chegar. Este é um bom exemplo disso. Até prá semana.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Playlist da Semana #48

Back with a bang! A última playlist tinha saído em 2015, mas nada melhor que receber uma mensagem do Gonçalo a dizer que queria escrever coisas para pegar na pá e começar a desenterrar a secção. Demorou tanto tempo que até deu tempo para lhe crescer o cabelo. O nome diz tudo, sugestões para ouvirem no ginásio, na cozinha, no metro, no sofá e até na caminha! 

Eightball - S/T - Washington é o berço de algumas das melhores e mais influentes bandas desde o final dos anos 70 e continua semear essa linhagem através de tipos como os Eightball. Para quem gosta daquele feeling 80's e não se deixa desencorajar com uns riffs empestados de cabedal e um andamento à Discharge, peguem nisto!

Bad Breeding - Divide - Este último álbum de Bad Breeding tem sido um dos discos mais rodados aqui em casa desde que saiu. Juntem um grupo de britânicos barulhentos e o resultado são 12 polegadas de fúria com a habitual estética do anarco-punk inglês e uma sonoridade estonteante que vai buscar à chamada "No Wave" as dissonâncias mais absurdas.
Spazz - La Revancha - Agora que os cocktails andam outra vez em vogue nada como ir pedir o 'refill' a uma das bandas que ajudou a mimar o punk com algo mais que passadas rápidas e powerchords. A sujidade habitual dos Spazz que vai desde o grind ao sludge, misturando samples de hip hop, solos de banjo ou saxofone e momentos de humor despretensioso fazem deste pessoal da Califórnia um verdadeiro atentando à cultura pop. E que talento têm eles para fazer isso mesmo!
Koro - S/T aka "700 Club" - Quem disse que 6 minutos de música não chegam para fazer parte da história? Uma banda bem à moda de Poison Idea e Articles of Faith que não foi além do seu EP auto-intitulado até a Sorry State Records decidir pegar numas demos antigas e lançar o "Speed Kills" em 2006. Curto e grosso, o disco perfeito para todos os entusiastas do punk/hardcore que manchou os sintetizadores mais coloridos da década de 80.
Never - Demo 2017 - Vindos de Brighton e com uma dose reforçada de riffs ajavardados que quase se vão tornando hipnóticos ao longo desta demo - com pouco mais de 7 minutos - os Never podem não ser uma lufada de ar fresco mas, definitivamente, fariam parte da soundtrack diária para quem trabalha numa estação de tratamento de águas residuais. Esta nova vaga de decadência que tem molestado o punk rock nos últimos anos é a "vibe" perfeita para quem quer soltar a franga e dar umas cabeçadas na parede depois de mais um dia chato no trabalho.


Ordeal - Demo 2017 CS - Faleço com estes artworks manhosos à Raw Deal. Mas a manhosice fica por aí. NWOBHC sempre a marcar pontos. Malta de Big Cheese/Rapture que volta a baralhar e a distribuir os membros. A guitarrista também queria ter uma banda onde cantasse e aí está ela. Curto bué esta vontade de fazer bandas destes miúdos.

Sandman - The Pain It Takes 7" - Malta de Ecostrike no mix, sabes que vai bater aquele metalcore pesadão 90's style. Reza a lenda que ainda antes do Irma passar pelo sul da Florida já havia uma concentração de remoinhos no pit assinalável.

Deal With It - End Time Prophecies - Um dos meus discos favoritos a sair do velho continente. Crossover à boss com riffs bem bons. Pena que estes miúdos tenham cancelado o reunion no show de NW em Londres em 2015 (bem melhor que Swan Song - blhéc!). Capa com malta reptiliana a dar a dica do que anda por aí #staywoke

Crowbar - Self Titled- A banda sonora da última semana no trabalho. Não sou um sludge connaisseur mas dizem os entendidos que este é o melhor disco dos Crowbar. Conhecendo minimamente a sua discografia tenho de concordar. O som das guitarras é único, e a mistura com a voz é perfeita. A primeira vez que ouvi esta banda foi no auto-rádio do carro do Tofu com ele e o Luís a caminho do Porto para ver KF. Na altura não liguei muito, mas ficou lá o bicho.

Chullage - Rapresálias (Sangue Lágrimas Suor) - O ano era 2001 e a minha cena era hip-hop a toda a hora, ajudado pelo "crate digging" da era digital que começava a dar os primeiros passos via Kazaa, eMule e acima de tudo mIRC. Já não consigo precisar se este CD foi comprado ainda na Godzilla ou já na KingSize mas continua a ser mas ainda hoje um dos cds que mais me orgulho de ter e que ainda vai fazendo visitas ao rádio do carro aqui e ali. A intro da Rhymeshit Que Abala ainda me consegue fazer viajar atrás no tempo...Clássico.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #22






E num instante chegámos à última actualização de Janeiro...

Twitching Tongues - Harakiri - A esta altura do campeonato muitos de vocês já devem estar familiarizados com os Twitching Tongues. Se não estão, esta malha até é uma boa introdução. Hardcore metálico cheio de groove e aquele toque 90's à Cro-Mags com uma voz melódica tipo Leeway e afins. Vão editar o disco novo só dia 09/03 que se irá chamar "Gaining Purpose Through Passionate Hatered", mas já disponibilizaram o primeiro single. É Twitching Tongues igual a si próprio. Ou se gosta ou se odeia talvez. Eu gosto. Esta vem com vídeo e tudo.


Moose Blood - It's Too Much - Já devem ter reparado que gosto de contrastes nesta playlist, por isso depois dos metálicos TT, vamos para o Emo meloso e fofinho. Tenho ideia que este é já o segundo single do novo disco que se chama "I Don't Think I Can Do This Anymore" e que sai dia 9.03 pela Hopeless Records.

The Beautiful Ones - Fade - Este EP saiu no final de 2017 e devo confessar que não conhecia a banda antes disto. Também não encontrei grande informação acerca da banda online a não ser que são de Mesa, Arizona e que existem desde 2011. Tocam um Hardcore bem moderno e assim mais barulhento. Estava à espera de uma coisa bem diferente antes de ouvir.

Shopping - Shave Your Head - Aposto que esta é capaz de ter sido uma daquelas bandas que o Ludgero me mandou e que não cheguei a ouvir. Post Punk mesmo à Pitchfork. Gostam de Joy Division e já estão fartos de ouvir o último disco de Ceremony? Podem ouvir Shopping que ficam bem servidos. A banda é do UK e o disco acabou de sair.

Remission - Voices - Já ouviram a nova malha de Dag Nasty?! Ou então, sabiam que os Dag Nasty emigraram para o Chile e tiveram de mudar de nome para Remission?! Já deu para perceber que os Remission soam a Dag Nasty e às bandas fixes de DC do antigamente quando começaram a ficar mais soft na altura do Revolution Summer não é? Esta é a primeira música nova deles em 5 anos e fico feliz por terem voltado. A banda saiu pela React e as cenas novas também. Remission deixa-me com um sorriso na cara. Bons moços!

Timeshares - Anxious & Aspy - Para a playlist ficar completa falta aquela malha Indie/Emo/Punk Rock que esta semana calhou aos Timeshares. Banda que cabe no mesmo saco de Flatliners, Menzingers, Nothington ou Hot Water Music para falar em nomes mais reconhecíveis. Este novo EP foi gravado no mês passado. Este refrão entra bem no ouvido e o lick de guitarra é daqueles que dá vontade de cantar e fazer air guitar. Até à próxima!!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #21






Parece que finalmente vamos começar a ter mais novidades em termos de novos lançamentos nos próximos tempos, por isso vamos lá ao que interessa. 

Turnstile - Moon - Falta pouco mais de um mês para a edição do novo disco de Turnstile e para mim acho que vai ser um dos melhores de 2018. Esta malha tem a particularidade de ser cantada pelo baixista e, tal como nos outros singles já apresentados, este também tem um vídeo. Talvez o menos frito até agora... ou então não. Julguem vocês.


Pianos Become The Teeth - Bitter Red  - Outro disco que vai igualmente sair em Fevereiro uns dias antes do de Turnstile é o de PBTT. O disco vai sair pela Epitaph e este segundo single também tem um vídeo. Acho que não coloquei aqui o outro quando coloquei o primeiro single na playlist, mas desta vez têm direito a dois vídeos na mesma semana. Loucura! Para quem gosta desta onda mais indie/emo/soft este disco vai ter alta rotação. 


Harms Way - Call My Name - Quem também vai editar um disco no inicio de Fevereiro são os Harms Way que partilharam outra música recentemente. Sou só eu ou esta malha tem ali um cheirinho a Code Orange? 

Born From Pain - Rebirth - Os pesos pesados holandeses Born From Pain também vão lançar um disco novo em 2018. Pelo pouco que pesquisei ainda não há data para o lançamento do disco, mas esta primeira malha já foi disponibilizada e têm inclusive um vídeo. Banda na onda do Hardcore de For The Glory, Terror, Madball e afins. 

Senses Fail - Gold Jacket, Green Jacket... - Esta é sem dúvida a malha mais catchy da semana. Cada vez mais tenho curiosidade e vontade de ouvir o novo disco de Senses Fail. Este Pop Punk vem mesmo a calhar. O vídeo também está engraçado, por isso, não há duas sem três. Aqui fica mais um vídeo... enjoy. 


Ramallah - Just One Shot - Quem também está de volta são os Ramallah. Sinceramente sempre preferi mais Blood For Blood a Ramallah, mas nem uma nem outra é banda que tenha ouvido muito. Diz que em 2018 eles vão editar um disco novo, mas com algum material antigo regravado e que em breve colocam cá fora mais uma música nova. Por agora é isso... Até prá semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

News Flash: janeiro 2018

Ano novo, a mesma vida de sempre. Não sei se será do frio mas fora umas (boas) demos que entretanto saíram, 2018 ainda não tirou a malta do quentinho do sofá e da mantinha. No meu radar não tem aparecido notícias de grande relevo, pelo que essa secção está mais pobrezinha, mas acredito que isso vá mudar muito em breve. Até lá bebam um chá a ler umas coisas, a ouvir as recomendações em baixo e a planear a vossa agenda de concertos. As dicas estão dadas.


The Henchman #1



As ruas desesperam mas não vão precisar de esperar muito mais. A mais recente fanzine nacional está quase pronta. Sigam a página no Facebook e metam já uns trocos de lado. Mais que música.

Facção Opposta - Da Luz À Obscuridade 12" + Tour no Brasil



Se o lançamento do novo LP via Combate Brutal já seria motivo de destaque, também o anúncio de uma tour no Brasil já no mês de junho é algo de assinalar. Ouçam o disco que está bem fixe, e se puderem comprem-no que está uma edição do caraças. SOLD OUT


Headache Fanzine #3


Já está disponível o novo número da Headache Fanzine. No terceiro número há direito a conteúdos com Big Cheese, Screw, Wild Side e tour report da passagem de Arms Race pelo Japão no final do ano passado. Aguardo que me cheguem cópias (esta semana? CTT estão todos marados...). Interessados já sabem como funciona.

Novos lançamentos


Big Mack
- Demo 2018 CS - A I.O.U. Records está a tornar-se um caso sério. A água do sul da Florida está contaminada com qualquer coisa, porque ultimamente apareceu por lá um cardume de bandas boas e a I.O.U. tem lançado a rede e tem apanhado todas.

Up In Blue - Demo CS - I.O.U. back at it. Os Up In Blue são a mais recente banda no plantel e também aqueles com o lançamento mais recente (tape física só no mês que vem). Lembra-me Underdog aqui e ali, ou uns Fury para uma comparação mais recente. Gostei muito!

Line of Sight - Dissent 7" - O post já foi feito na página do NCE no Facebook, mas fica aqui para memória futura. Novo disco dos Line of Sight na Youngblood Records. You know what it is.

Luxe - S/T - Nos últimos tempos tem existido uma maior abertura ao aparecimento de um maior número de bandas assumidamente queer na cena hardcore. Os G.L.O.S.S. foram talvez a última banda a colocar o tema em cima da mesa com uma maior exposição mediática, mas com o fim abrupto da banda (quando supostamente iriam ficar "grandes"), foi algo que arrefeceu nos meus radares. Isto até me surgir esta semana o bandcamp dos Luxe. O som e a temática vai muito ao encontro do que os G.L.O.S.S. faziam, e acredito que mais cedo ou mais tarde alguém pegue nisto e comece a ter algum destaque pelas internetes.

Blvd. of Death - Swinging Sledgehammers CS - O que seria de uma qualquer playlist ou lista de recomendações sem um toque de NYHC? Se o som e o nome vão buscar Nova Iorque (o nome é uma referência a uma rua no bairro de Queens), a banda vem de Itália e tem malta de Rage Cage e dos velhinhos No More Fear. Demo disponível na HCPP Records.



Haram
- When You Have Won, You Have Lost 12" - Este disco não é novidade, mas demorou tanto a entrar que só no ano seguinte é que lhe dei o destaque merecido. À primeira audição foi para a pasta "punk um bocado frito demais para o meu gosto", mas como o Youtube começou a insistir em colocá-lo na playlist voltou à rotação. E tenho de dar o braço a torcer porque ele tinha razão. Punk cantado em árabe made in Nova Iorque. Escusado será dizer que já houve stresses com a banda e com o vocalista a meter FBI ao barulho... Se forem casmurros como eu ouçam o disco um par de vezes e vão ver que está aqui algo especial.

The Number Ones - Another Side Of The Number Ones 7" - A editora no press release diz que este disco coroa os #1's como os reis do pop. Se o Reino Unido tem os reis, nós pelo menos temos a rainha (Madonna go home!). Aquele pop da pastilha elástica cheio de riffs bons e refrões melódicos já me tinha chamado a atenção no registo anterior e este novo disco não podia ficar atrás.

Blazing Eye - Ways To Die 7" - Também a sair pela Static Shock estará o novo disco de Blazing Eye (28/01). Isto lembra-me Poison Idea e isso é bom.

Policy of Truth - Promo '18 CS - Parece que estes canadianos já cá andam desde 2016, mas só agora com esta novíssima demo é que os conheci. Se hardcore rápido e barulhento são a tua praia, mergulha nisto tipo Marcelo.

Concertos





Já este fim de semana há Somber Rites e For The Glory em Santarém (sexta-feira, com No Hope) e em Cascais (sábado, com os algarvios M.E.D.O.). No mesmo dia em Lisboa os The Youths voltam ao ativo, no Damas, de borla.

No fim de mês mais uma edição do LVHC Fest, na Academia de Linda A Velha, com um cartaz de dois dias recheados de bons nomes nacionais do metal, hardcore e punk.

Para abrir fevereiro há concertos de Comeback Kid no Porto e em Lisboa, com os alemães Nasty a trazer o beatdown novamente a Portugal. Backflip a abrir. E a 23 há nome grande do punk-rock mundial no RCA com os No Fun At All a regressarem a Lisboa.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #20






O inicio do ano ainda está demasiado morno para ter grandes novidades, mas de qualquer forma aqui está mais uma actualização. Boraaaaa!!

Ecostrike - Time Is Now - Demorei se calhar tempo demais até finalmente prestar devida atenção a esta banda. O que é certo é que já há algum tempo que vejo o nome flutuar por aí nas internets, mas até à data ainda não se tinha proporcionado. E devo confessar que gosto. 90's style com aquele toque Europeu à Abhinanda e um vibe bem Turning Point. Assim de repente foi aquilo que me veio à cabeça. A banda é do sul da Florida e o EP saiu no ano passado pela Carry The Weight Records do UK. Boa malha.
 
Jeff Rosenstock - Powerlessness - O Jeff Rosenstock pode-se dizer que é um "indie darling". É raro encontrar algum artigo a falar mal dele ou da sua música, se é que existe. O rapaz que começou por tocar nos Bomb The Music Industry agora é artista a solo e este novo trabalho foi anunciado do nada nos primeiros dias de 2018. Sem aviso prévio, tomem lá um disco novo, estão aqui os pre-orders bonitinhos e siga. Se o disco anterior tinha saído pela Side One Dummy este agora chama-se POST- e saiu pela Polyvinyl. Bela maneira de começar o ano.
 
Faze - Searching - Se há uma banda que pode ser chamada à seleção de esperanças do Hardcore americano são estes Faze. Mais uma boa banda a ser editada pela Triple B. Já ouvi dizer que a banda é um bocado chata e tal. Eu não acho e até gosto bastante. E vocês o que vos parece?
 
While She Sleeps - Steal The Sun - Se este artigo fosse um post do facebook aqui nesta parte ia aparecer ali a dizer "sponsored". Não que o NCE esteja a receber algum para que os WSS apareçam nesta playlist, mas é certo que a banda vai dar 3 shows em Portugal (14.01 - Porto, 15.01 - Lisboa e 16.01 - Loulé) e é bem provável que duas das datas vão ficar sold out. Conseguem adivinhar quais? Em relação à banda tocam um Hardcore moderno com partes melódicas, imaginem tipo Comeback Kid com 30 Seconds to Mars... Demasiado rebuscado? Anyway, do que tenho ouvido tenho gostado e os shows prometem ser um caos.  

Insist -Gaining Ground - Vá, para os mais puristas do core, esta é para vocês. A cena no UK tem tido sempre altos e baixos, mas ultimamente tem estado em altas, especialmente para este tipo de HC. Chamem-lhe Old School, Youth Crew ou simplesmente Hardcore. O que é certo é que se me perguntarem o que para mim é Hardcore mais rapidamente imagino uma banda como Insist que muitas outras que andam por aí.  

Sinistro - Abismo - Um pouco à semelhança de quando coloquei Moonspell aqui, os Sinistro não são propriamente uma escolha óbvia. No entanto há que dar mérito e valor à banda. Tendo na sua formação pessoal batido da cena alternativa tuga os Sinistro são uma das mais recentes bandas a ter um sucesso considerável lá fora. Aliás é bem provável que tenha um reconhecimento maior lá fora que cá na tuga. Mais perto do espectro do Metal, recentemente fizeram uma tour com Paradise Lost. O disco novo já saiu pela Season of Mist, uma das principais editoras de Metal do mundo. Até pra semana. 

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Review: Chiller Than Most Fanzine #5


A tempo de figurar na peúga natalícia, a Chiller Than Most voltou com os conteúdos mais cruciais. Já há um par de semanas na prateleira, houve agora tempo de dissecar e escrever umas palavrinhas sobre este quinto número.

Ponto número um: a parceria com o Chun One continua forte e dá um sentido de continuidade importante. Seja na zine, seja em tudo o que lhe é acessório: presença online, posts, material promocional. Artwork on point com um "Quem é Quem" da cena inicial de Nova Iorque. Peguei o poster, que aguarda moldura...

O Atilla é o maior fanboy da era dourada do NYHC (o maior da Hungria pelo menos) e começa em grande estilo com uma viagem que fez a Nova Iorque e em que fez questão de visitar os extintos locais míticos dos anos 80. Agora transformados em lojas de roupa, restaurantes ou simples apartamentos, ficou engraçada a ideia de tirar uma foto a copiar uma da altura, num exercício de descubra as diferenças. A7, CGBG's, The Pyramid, estação de metro do anúncio do disco de Token Entry, etc, ele picou o ponto em todas.

Entrevista porreira com o Pat Hassan sobre os xFIRM STANDING LAWx. O Pat atualmente está a dar aulas no Egito e é o maior bacano! A Carry The Weight Records que ele co-comandava despediu-se o ano passado e ainda aguardo review desse show (dica!)

Há espaço para repost de uma entrevista a Supertouch e uma pequena entrevista ao Tony Rettman sobre o seu novo livro sobre o Straight Edge, que não aprofunda muito mas dá para ver qual foi a ideia dele para o escrever. Melhor só o capítulo sobre Bold que não chegou a ser incluído no livro que aqui aparece com vários intervenientes a dar a sua versão da história.

Entrevista ao Michael Franke sobre os The Accursed, dá para saber mais sobre uma das melhores bandas a sair da Austrália (a melhor desde Vigilante?).

A entrevista à Nancy Barile é fixe não só por ter uma visão diferente da génese do hardcore e de como aquela era foi, como porque a dada altura o Al Barile (marido, SSD) dá o seu input também. 6 páginas A4? That's the shit I do like!

A feature de Mental era aquela que mais me tinha despertado a atenção na altura no anúncio, e acaba por ser um ligeiro let down. Desapontamento é duro demais, porque adoro o que foi feito - basicamente dar a voz aos fãs. Ou seja, aquele insight que eu estava à espera perde-se um bocado e vai noutra direção (igualmente fixe) em que se faz uma análise subjetiva ao impacto de Mental na cena da altura e no que dela surgiu. Era esta a premissa, bem sei, mas perfeito seria ter alguém da banda a "comentar os comentários". Ainda assim, Mental é Mental, e qualquer conteúdo sobre a banda é devorado por estes lados com apetite voraz.

Para terminar, só uma achega: freebies game on lock! Poster promocional, abre caricas, print da história do Hardcore Mailman (ver CTM#4) em cartolina, autocolantes e aquele obrigado personalizado. Assim dá gosto.



Malta em Portugal pode pegar cópias via Backwash Records.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #19





Playlist NÓS CONTRA ELES

A primeira actualização de 2018 não tem propriamente novidades. O final/inicio do ano normalmente nunca é muito rico em novidades discográficas, por isso decidi pegar nalgumas músicas de bandas tugas que estão no Spotify e muito provavelmente alguns de vocês não faziam ideia que aqui estavam, ou então já não se lembravam. Aqui vai... 

To All My Friends - Pieces - Os TAMF são provavelmente a banda Pop Punk tuga mais fixe. Se curtem Neck Deep, New Found Glory e afins vão curtir estes tugas de certeza. O Disco novo "Head Above Water" saiu pela Infected Records em 2017 e dia 3 de Fevereiro tocam em Faro para começarem o ano como deve ser. 

Villain Outbreak - Shaken Faith - Este EP não é propriamente uma novidade, mas foi recentemente adicionado ao Spotify. Os Villain Outbreak são uma banda de Metalcore do Algarve com membros que também pertencem à Out Of Sight Booking. Não vou dizer que eles me pagaram uns batidos no Mel & Limão para os colocar nesta playlist. Isso não seria correcto... Eles decididamente não me pagaram um batido...

Viralata - Estrelas Decadentes - Quer se goste ou não para mim os Viralata são uma das minhas bandas de Punk Rock tugas preferidas. O disco novo, "Rota de Colisão", saiu novamente via Rastilho Records e desta vez para além de ter saído em CD também há vinil. Punk Rock de qualidade se curtem NOFX, Rise Against ou Tara Perdida. Eles que também tocam em Faro dia 3 de Fevereiro. Vai ser uma bela festarola.

A Thousand Words - Vivre Sa Vie - Os ATW podiam ter dado um salto depois deste disco mas infelizmente não aconteceu. Estas duas músicas marcam um novo rumo na banda em termos de som e prometiam ser uma das principais bandas de Hardcore barulhento do nosso país. Felizmente estas duas músicas já estão no Spotify e que malhões que são!

Suspeitos Do Costume - Um Passo Mais Perto - Os moços de Odemira finalmente editaram o disco de estreia pela Infected Records em 2017. O Punk Rock tuga está de boa saúde e recomenda-se. E graças aos esforços da turma de Odemira conseguiram colocar esta vila no mapa com várias bandas e um festival regular, o Mira Fest. Espero que 2018 traga mais concertos para este pessoal.  

Somber Rites - Suburbs - Penso que esta é provavelmente a banda com melhor pedigree actualmente na cena tuga. Pessoal de Day of the Dead, 20 Inch Burial, For The Glory, Reality Slap, Please Die... e a lista podia continuar, mas estas são as que me lembro sem me esforçar demasiado. Hardcore com conteúdo e não apenas mosh parts e breakdowns. Ainda me lembro de quando isso era a regra e não a excepção. Tocaram com Code Orange e Touché Amoré em 2017 e parece-me que em 2018 vão dar muitos e bons concertos. Até prá semana! 

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Nós Contra Eles no Spotify #18

A ideia é simples - uma playlist no Spotify com cenas novas que vão aparecendo nesta plataforma de streaming. Sim, porque estamos em 2017 e o Nós Contra Eles é bué à frente.






...e assim chegamos à última actualização de 2017. Obrigado a tod@s por fazerem follow na playlist e a quem tem tido a paciência de ler o que escrevo aqui. Obrigado também ao patrão Tiago Gil por ter aceite o desafio de ter a coluna no blogue. Vamos a isso...

American Nightmare - The World Is Blue - Podem já preparar os vossos comentários de "Eu só gosto da demo", "o Wes já não berra" ou "Para isto mais valia estarem quietos", etc. O que é certo é que em 2018 vamos ter um disco novo de American Nightmare quer queiram quer não. E isso para mim é SEMPRE uma boa notícia. É inegável a influência que os AN tiveram na sonoridade e cena dos inícios dos 00's. Podemos dizer que foi com AN (e com a B9) que começou a "moda" de fazer mil edições em mil cores diferentes e haver pessoal a gastar rios de dinheiro a comprar um de cada. Bom ou mau, tudo começou com AN. Em relação à música parece-me uma boa continuação da onda da banda quando gravaram o "We're Down Til We're Underground". E é mais que normal que para muitos de vocês a banda já não vos diga nada. Os discos já saíram há uns 15 anos. Gosto do facto do disco novo sair como AN e não como Give Up The Ghost. O disco sai dia 16.02 pela Rise Records.   

Strung Out - Crows - Devo ser a única pessoa que conheço que adora Strung Out. Sempre foram uma das minhas bandas preferidas da Fat Wreck Chords e lembro-me de prai em 97 ou 98 enviar dólares dentro de uma carta e encomendar uns CDs do catalogo/fanzine da Fat. Um deles era o Suburban Teenage Wasteland Blues. Será fácil dizer que esta malha é Strung Out mid tempo clássico. Aquela balada/single que eles têm sempre um por disco. Não sei porquê mas esta música tem um vibe à Twisted By Design. Gosto. E acabei de descobrir que é da mesma sessão do último disco, mas que ficou de fora por ser demasiado soft. Toma-te!

Balance And Composure - Run From Me - O "Light We Made" que saiu em 2016 foi um dos discos que mais ouvi nesse ano. É um daqueles discos que sorrateiramente se vai entranhando e quando dás por isso já estás completamente agarrado, especialmente à "Spinning". Tal como os Strung Out, os B&C também gravaram umas músicas que acabaram por não entrar no disco. No Record Store Day de 2017 editaram um 7" com esta "Run From Me". Fica difícil perceber como é que esta malha acabou por ficar de fora. Mas ao menos não ficou perdida por aí.

Cutting Through - Reflect - Esta banda tem um pedigree interessante com membros de Get The Most, Go It Alone ou Blue Monday. Não é normal haver bandas americanas de Hardcore a querer soar a uma banda europeia, mas é o caso dos Cutting Through. De olhos fechados não tinha dificuldade nenhuma em dizer que este disco saiu no final dos anos 90 pela Crucial Response. Não é o caso, o disco saiu em 2017 pela clássica New Age Records. Se gostam de bandas europeias tipo Sportswear, Abusive Action ou A Step Apart vão papar isto na boa. O meu único senão é que o disco em si tem algumas malhas demasiado grandes (o que não é o caso desta). Mas sem dúvida uma banda com um som mais "clássico" que me agrada bastante.

Lemuria - More Tunnel - Alguém está a fazer a lista de bandas que eu digo que já tinha ouvido falar (bem ou mal) mas que nunca tinha ouvido com atenção (por esta ou outra razão)? Então podem acrescentar Lemuria a essa lista. Sempre ouvi falar bem da banda, mas acabei por nunca lhe prestar a devida atenção. Lemuria que já não editavam um disco desde 2013 acabaram há umas semanas de rebentar com um LP novo do qual esta música faz parte. Sei que o Filipe Severo é fã por isso vou dar uma chance não só ao disco novo como à banda. Se calhar deviam fazer o mesmo para o Filipe não ser o único fã de Lemuria por estes lados.

Moose Blood - Talk In Your Sleep - A banda está de volta (mas estiveram ausentes sequer? Não dei por isso) e este é o primeiro single do novo disco "I Don't Think I Can Do This Anymore" que vai sair a 3 de Março. A música é tipo baunilha. Não é má, mas também não é nada do outro mundo. Esta é mais uma daquelas bandas que nunca prestei grande atenção, mas graças ao Spotify posso assim ouvir e ficar a pensar que baunilha é fixe, mas se calhar prefiro mais gelado de limão com chocolate. Até pró ano!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.