sexta-feira, 20 de abril de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #34




E depois de 34 semanas seguidas de actualizações sem pausas, informo que a playlist vai de férias durante uma semana. Ou seja, à partida a próxima actualização irá ser dia 4 de Maio. Espero que consigam sobreviver. Mas, antes das merecidas férias vamos ao que interessa... 

War On Women - Lone Wolves - A banda War On Women são uma aposta sólida da Bridge Nine para 2018. Tocam um Punk / Hardcore energético e pujante e têm ao mesmo tempo um conteúdo lírico que merece alguma atenção por parte do ouvinte. Já tinha esta banda no radar há algum tempo, mas sempre foi um caso de "esta banda é boa, tenho de ouvir com mais atenção" e depois acabo por não lhe dar a devida atenção. Penso que este disco "Capture The Flag" vai finalmente captar a minha atenção. Saiu no passado dia 13.04 e recomendo.

Wrong - Culminate - Não conheço muita gente que goste de Helmet. Não vale a pena estar aqui com grandes rodeios ou paninhos quentes. Os Wrong são Helmet chapado. E a julgar por este disco, conseguem ser melhores que alguns trabalhos dos próprios Helmet. Pelo menos os mais recentes onde a banda claramente perdeu grande parte da sua inspiração. Se gostam daquele Metal/Hardcore com riffs do para arranca vale a pena. Se não é a vossa cena, se calhar mais vale seguir em frente.

Hopesfall - H.A Wallace Space Academy - Mais uma banda para a coluna das que conheço perfeitamente de nome mas não me lembro sequer de ter alguma vez ouvido, ou se ouvi não ficou cá nada. Uma pequena pesquisa informou-me que não só a banda acabou em 2008 como agora está de volta 10 anos depois com um novo disco. Parece-me bem, tocam aquele Post-Hardcore, Screamo ou lá como lhe queiram chamar que parece estar a voltar a ressurgir. Se for a vossa cena estou certo que vão ficar contentes.

Spirit Crusher - Force Of Denial - Como é que eu ainda não tinha ouvido isto antes?! Uma banda destas europeia e ainda para mais Straight Edge?! Caso raro em 2018. Gostam de Cro-Mags? Lembram-se dos True Blue e dos Icepick? Então vão gostar disto de certeza. Siga.

State Champs - Dead And Gone - Uma das principais bandas novas de Pop Punk está de volta. Os State Champs partilharam uma música nova do novo disco que irá sair a 15.06. Para fãs daquele Pop Punk melódico para ouvir no verão a ir para a praia. Os New Found Glory "inventaram" esta onda e a nova geração pegou no testemunho. Eu cá gosto, mas aceito que não seja para tod@s.

Risk It! - Getting Low - Para os mais distraídos a Out of Sight Booking anunciou a primeira edição do seu Festival para os dias 14-15 de Setembro na Associação Recreativa e Cultural de Músicos em Faro. Vou guardar este slot na playlist para nos próximos meses promover algumas das bandas que vão tocar no fest. Uma delas são os Risk It! Se os No Turning Back são provavelmente a maior banda de Hardcore na Europa, os Risk It! não ficam muito atrás. Marquem já nas vossas agendas uma visita ao Algarve em Setembro.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #33


A actualização #33 tem claramente algumas escolhas que poderão vir a forçar a chefia do blog a fazer um post no facebook a criticar este vosso escriba, mas cá estarei para dar a cara. Somos Nós Contra Eles!

The Bombpops - I Call Bullshit - O novo EP de The Bombpops já saiu e confirma-se que esta é uma das minhas bandas Punk Rock preferidas da Fat Wreck Chords neste momento. O riff inicial faz-me lembrar um pouco Alkaline Trio, mas o Skiba é fixe acho que não se vai importar de emprestar o riff às miúdas.

Cutting Through - Internal Fight - Já tinha escrito antes, Cutting Through são a banda americana que mais soa a uma banda Europeia. São notórias as influências de Sportswear ou A Step Apart. O EP novo chama-se "Empathy". Fazem falta bandas assim. Aprovadíssimo.

Culture Abuse - Calm E - Tudo o que tenho visto da banda em termos de conteúdo visual adoro. Acho que esteticamente a banda está no ponto. Este novo disco vai sair pela Epitaph e parece que a banda vai dar um salto gigante. Eles tocam aquele punk rock / indie rock / grunge que não seria de estranhar se estivesse na Run For Cover. Este tem potencial para ser dos meus discos preferidos de 2018.

The Year - Slaves'r'us - Há algum tempo que tenho ouvido falar desta banda, mas que me lembre acho que nunca tinha ouvido nada, ou se ouvi não ficou nada cá dentro. Para quem estava a pensar que a banda é de Setúbal só porque tocam Metalcore estão enganados, são sim do Pombal. Este disco está acabadinho de sair na Hellxis por isso toca a fazer a vossa encomenda.

Dance Gavin Dance -
Midnight Crusade - A primeira vez que ouvi falar nesta banda foi quando o Rafael Madeira me disse que iam anunciar esta tour na américa do sul. Pelo nome pensei que fosse algo totalmente diferente. Estava a imaginar mais um Metalcore/Emo, mas não é tanto o caso, pelo menos a julgar por esta música. A parte a abrir é boa, as partes melódicas por incrível que pareça custam um pouco a entrar e até parece que nem ligam bem com as partes rápidas. Ainda assim até fiquei surpreendido por até achar alguma piada a isto. O David de 2018 é bué mente aberta.

No Fun At All -
Runner's High - Sim, já sei, o concerto do RCA foi bué bom! Foi sold out! Fim do mundo em cuecas... não consegui ir, escusam de bater no ceguinho ok?! Assim que entra a voz sabe-se logo que é NFAA, como em qualquer outra música de NFAA. É uma malha midtempo para descansar a meio do set que o pessoal já não vai para novo. Até para a semana.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #32




A semana #32 está recheada de novidades interessantes para todos os gostos, desde Hardcore, Punk Rock ou Emo. Vamos a isso.

Arms Race - Zealot - Se há um motivo para se dizer por aí que a cena Hardcore no UK está em altas nos últimos tempos uma das bandas culpadas por isso são os Arms Race. Depois do LP "New Wave Of British Hardcore", ei-los de volta com este EP "The Beast" com 4 malhas porcas e que chegam aos nossos tímpanos como um atropelamento pelo camião do lixo sem dó nem piedade. A raiva com que as letras são cuspidas não deixa ninguém indiferente. Quase certo ser um dos discos de 2018, mesmo sendo um EP. Isto é que é começar em grande a playlist.

ContraSenso - Cabeça Erguida - E assim do nada temos uma banda nova de Punk Rock tuga (sim isto devia ser um estilo a partir de agora). Gostei muito do que ouvi e esta é provavelmente a minha malha preferida do disco novo que a Infected Records vai editar este mês, com o concerto de lançamento marcado para dia 14.04. Acho que o pouco tempo de banda ainda não lhes permite ter uma sonoridade facilmente reconhecível, mas acho que com tempo vão chegar lá. Banda sonora perfeita para o verão. (Pontos extra a quem conseguir enumerar todas as bandas em que o Daniel Hipólito tocou eheheh!)

Take Offense - Unconditional - Mas que bela surpresa. Não posso dizer que seja um conhecedor profundo da obra dos Take Offense, mas fiquei bastante surpreendido com o que ouvi. Olhando para a capa e ouvindo o som sem se conhecer de antemão a banda e se vos dissessem que isto era um EP obscuro de uma banda do final dos 80's / inicio dos 90's não iam duvidar de certeza. Adoro o tom de guitarra nesta malha. O EP já saiu e chama-se "Tensions On High". Lá terei de ir gastar dinheiro neste disco...

Useless ID - Yearbook - Após uma breve busca online fiquei a saber que isto não se trata de um disco novo apenas de Useless ID, mas sim um split dos Israelitas com os Russos Tarakany. Parece que o que eles fizeram foi gravar as músicas uns dos outros com letras traduzidas e tudo. Ou seja, os Useless ID tocam musicas em inglês dos Tarakany que originalmente estava em Russo e os Tarakany fazem o contrário em Russo. Acho que merece pelo menos uma passagem por lá. Em relação a esta malha fez-me lembrar No Use For A Name, especialmente o refrão. E nunca é demais dizer... NEVER FORGET TONY SLY.

True Love - The Pact - Não sabia que ainda havia bandas deste calibre. Isto na era de Go It Alone, Blue Monday, AN, Carry On e afins encaixava que nem uma luva. Mas isso já foi há mais de 10 anos. Mais bandas nesta onda por favor. Obrigado.

The Get Up Kids - Maybe - E assim do nada toma lá uma música nova de TGUK, uma tour e um EP novo a sair dia 8.06 pela Polyvinyl. Adoro!!! Gosto do tom sujo das guitarras. Acho que vou ouvir este EP muitas vezes. A julgar por esta malha deixaram-se um pouco das fritarias do último disco de 2011. Até para a semana.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 30 de março de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #31



A Semana 31 da playlist não foi fácil. Muito trabalho e pouco tempo, mas não queria falhar aos já 85 followers da playlist. Se todos os concertos tivessem estes números...

Back Down - Comin Down - Ora bem, diz a internet que os Back Down são de Bristol (cidade muito simpática e agradável no UK) e que já foram formados em 2013. Este EP chamado "Sinner" acabou de sair e têm 4 malhas. Para quem não conhece, eles tocam um Hardcore musculado. Tipo aqueles gajos do ginásio que passam a vida a beber batidos de proteína e tal. Há quem chame a isto Beatdown, gosto de pensar que não, pois até achei piada à banda e não quero aperceber-me em 2018 que acho piada a uma banda de beatdown.

Vantage Point - The Power Of - Já vos disse que a Straight & Alert Records é a minha editora preferida na europa?! Se não disse agora está dito. A capacidade de pesquisa do Alexis para encontrar estas bandas é invejável. Neste caso os VP são de Boston e imagine-se são uma banda Straight Edge. Ya uma banda Straight Edge, de Boston e fixe, em 2018. Muito bom! Há partes que fazem lembrar Turning Point, outras talvez Carry On. Recomendo!

Prison Riot - Traitor - A falta de tempo esta semana impediu-me de fazer uma pesquisa muito aprofundada sobre os Prison Riot, mas posso desde já adiantar que são da Suécia. Desde que comecei a ouvir Hardcore e Punk Rock que para mim a Suécia sempre produziu bandas de qualidade. Talvez tenham estado mais discretos nos últimos anos, mas os suecos para além dos Volvo também fazem boa música. Assim à primeira fez-me lembrar Cornerstone. E eu adoro Cornerstone.

Shipwrecked - The Fires - Vês que estás na merda quando tentas procurar cenas no Google sobre uma banda e só te aparecem noticias de um fogo num bar com o nome da mesma banda. Ora bem tenho ideia da banda ser da Noruega... e tenho ideia que vão editar um LP em breve. Acho que preciso de combinar um café com o Bica para ver se fico mais a par das novidades.

Neuromancer - Neuromancer - O melhor que consigo escrever sobre os Neuromancer é que o vocalista é o gajo de Break Away (Banda da React!). Quem souber mais coisas que avise.

NOFX - There's No 'Too Soon' If Time Is Relative - Uma música nova de NOFX é sempre uma boa noticia para mim. Esta música é um tributo ao Stephen Hawking que faleceu recentemente, mas um tributo à NOFX. Gravação que soa a demo em que o Fat Mike desafina por todos os lados. A ver se gravam um disco novo mas é! Até para a semana.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #30



Trintaaaaaaaaaaaaa!!!! 

Line Of Sight - Resonance - Depois dos The First Step terem acabado os Mindset agarraram o testemunho e continuaram na corrida envergando a jersey do Youth Crew/Old School Hardcore ou como lhe queiram chamar. Depois de Mindset terem acabado é que me parece que não houve niguém a agarrar o testemunho com a mesma força, pujança e qualidade. Mas parece que o caso muda de figura com os Line Of Sight. Riffs mesmo como o Rafa gosta. Se ouvirem alguém dizer que não gosta de nenhuma banda actual de Hardcore mostrem-lhe Line of Sight. 

Fiddlehead - Lay Low - Ok, mais uma banda da Run For Cover igual às outras todas, com o guitarrista de Basement e o gajo de Have Heart. Ya e qual é o mal?! Se o resto do disco (que sai dia 13 de Abril) for tão bom como esta malha vai ser um grande disco. Podemos chamar a isto Post Hardcore. O riff de guitarra podia facilmente ter sido usado numa música de Basement, mas resulta muito bem nesta banda. O primeiro EP teve a sua piada, mas a julgar por esta música este disco vai ser bastante melhor. Lay lowwwwwwwwww!! 


Farsa - O Mundo Ou Nada - Nos dias de hoje infelizmente surgirem bandas novas com alguma qualidade é algo cada vez mais raro. Eu pessoalmente gostei do que ouvi dos Farsa, tem um vibe que me fez lembrar Zootic, talvez por cantarem em Português e são uma banda que teria tocado muitas vezes na Casa Okupada no final dos 90's. A gravação não tem a melhor qualidade do mundo, mas isto também é uma demo. Curti tanto do que ouvi que consegui convencer o resto do pessoal da Out Of Sight Booking a convidá-los para tocar no dia 14.04 em Faro no concerto de apresentação do EP de Backflip. Estou com bué pica para os ver ao vivo.     

Pennywise - Live While You Can - Este é o segundo "single" do disco novo de Pennywise e não sei se esta malha não será mais fixe que a primeira. É impossível não cantar este refrão depois de ouvir uma vez. "I've got a Time Bomb ticking in my head". Houve partes da malha que me fez lembrar um pouco The Black Pacific, a banda que o Jim fez em 2010 quando saiu dos Pennywise o que me leva a querer que terá sido ele a escrever esta música. De qualquer forma estou com cada vez mais pica para este disco. Até agora não está a desiludir.

Pointing Finger - Best Bruises - A única novidade aqui é este lançamento discografia estar já disponível no Spotify. Podem sempre jogar um jogo de tentar descobrir onde é que roubamos os riffs de cada música. Vá que não é assim muito difícil. Mas o mais importante de tudo é... toca a dar plays a esta M€rda ok???

7 Seconds - Satyagraha - Esta semana foi anunciado que os 7 Seconds acabaram. Muitos de vocês interrogam-se mas a banda ainda tocava?! Pondo de parte toda a vossa negatividade, os 7 Seconds foram uma banda importante e que influenciou muita gente no Punk / Hardcore. Em quase 40 anos de carreira tiveram discos clássicos e icónicos (The Crew, Walk Together, Rock Together) e outros nem tanto. Infelizmente os melhores discos de 7 Seconds não estão disponíveis no Spotify. Mas esta é uma das minhas músicas preferidas deles de qualquer forma. E queria também só realçar que a Young Till I Die foi a música que mais tocámos nos 8 ou 9 Anos que Pointing Finger tocou. Não devemos ter tocado no máximo numa mão cheia de shows. Agora vou ali ouvir o The Crew ver se ainda sei as letras todas de cor. Até para a semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 16 de março de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #29



Numa semana em que rapidamente chego às 6 músicas para adicionar para a playlist vou descobrindo coisas novas só para me lixar a vida. São estes os dilemas de quem leva isto demasiado a sério... Aqui vai...

Pennywise - Never Gonna Die - Olha quem está de volta?! Os Pennywise já devem ter uns 30 anos de carreira. Tiveram os melhores discos na década de 90 e daí para a frente o normal é ter umas 2 ou 3 músicas mesmo boas por disco e o resto ser mais do mesmo. Acaba por ser um pouco assim com bandas com uma carreira tão longa. Os Pennywise nunca mudaram muito o tipo de som ao longo dos anos, umas vezes mais Punk, outras mais Hardcore, mas a fórmula vai sempre bater no mesmo. O que é certo é que as músicas boas são mesmo boas, pelo menos para mim. E esta é uma das boas. O disco novo sai em Abril e se tiver esta pujança vai ser uma boa soundtrack para este verão.

Death Of A Nation - Don't Speak For Me - Agora que o pessoal do Hardcore é todo saudável, das corridas e das bicicletas e isso, imaginem um instastory do John Joseph a fazer um daqueles batidos plant based (sim, já não é cool ser vegan, agora é plant based!) em que junta Have Heart, Defeater e Verse. Depois de ouvirem a malha não surpreende ninguém se eu disser que esta banda tem membros de Verse e Defeater pois não? A banda é boa e é daquelas que depois de ler as letras a banda sobe ainda mais uns degraus. Ainda não li as letras... mas cheira-me que são boas. Esta é para o Gaiola.

No Fun At All - Spirit - Ya já sei, o concerto no RCA foi bué bom, estava cheio e coiso e tal. Bué fixe esfregarem isso na cara de quem não pode ir. NFAA é daquelas bandas que ouves de olhos fechados e consegues sempre descobrir o que é. A voz tem sempre aquela característica mesmo à NFAA, os riffs de guitarra são à NFAA e não há que eu saiba bandas a soar assim. Não é daquelas malhas que me entrou à primeira, mas quanto mais ouvi, mais fui gostando e mais triste fiquei de não ter ido ao show cantar a Catch Me Running Round e a Suicide Machine. O novo disco chama-se GRIT e sai também em Abril.

Soul Power - Steppin' Out - Antes que o patrão Tiago venha dizer que ando a copiar os posts, eu já tinha Soul Power na lista antes de ver o post dele. Há que ter pelo menos uma malha do core se quiser continuar a receber o cheque do NCE no correio né?! O EP vai sair na React e se curtem Outburst e cenas dos late 80's early 90's, esta banda tem o selo do NCE por isso fica bem dizerem que curtem e conhecem. Não se deixem dormir amigos e amigas. Há que manter o street cred.

Red City Radio - If You Want Blood (Be My Guest) - Bem, não se pode dizer que esta música seja uma novidade pois acabei de descobrir que afinal já tinha saído há quase um ano... mas agora já está. Eu gosto de RCR. É tipo Hot Water Music. Gostava de um dia fazer uma banda nesta onda com um rapaz alto que mora em Casainhos. Eu tenho fé que isso ainda vai acontecer.

Left Alone - Mile High - E pronto se depois desta não receber a rescisão de contrato do patrão Gil é porque já não vai acontecer. Acho que depois de Moonspell e Linda Martini e até uma malha de hip hop, estava a faltar um SKA. Vou ser sincero, eu gosto de algumas bandas de SKA. Gosto de Rancid e de Interrupters e claro, quem não gosta de Operation Ivy?! Não precisam de responder que não quero saber. Até para semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 9 de março de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #28





Mesmo com tornados a passar por aqui não vos quero falhar com o ponto alto da semana. Aqui vai a actualização #28.

Fireburn - Controller - Quando se pensava que este "supergrupo" ia lançar um EP e chega, aqui estão eles de volta menos de um ano depois com mais um 7" cm duas músicas que já podem fazer o pre-order AQUI. Na continuação do excelente EP de estreia, Bad Brains em 2018 soa assim. Por mais que pense não há mais nenhuma outra influência que possa colocar aqui (talvez Cro-Mags?!) e não é que isso seja uma coisa má. Não vale a pena perder muito tempo a analisar quando se pode apenas disfrutar de Hardcore de boa qualidade. A banda vai estar em tour grande parte de 2018 com Good Riddance, American Nightmare, GBH e Kill Your Idols. Boraaaa!!

The Bombpops - Dear Beer - Se estão lembrados do post dos discos do ano, o disco desta banda fez parte do meu top 5 de 2017. Pois bem a aproveitar bem o balanço que ganharam no ano passado acabaram de anunciar um EP novo a sair pela Fat Wreck Chords dia 6 de Abril. Na mesma onda do disco, uma música mid-tempo e melódica que em partes me faz lembrar um pouco No Use For A Name. Boa malha!

Burn - Mountain - Quem também tem um EP novo depois de ter editado um disco no ano passado são os Burn. NYHC assim mais caótico. Não soa a Madball ou Agnostic Front, mas sempre tive um soft spot para Burn. Se curtiram o disco, curiosamente o primeiro full length desde que a banda surgiu em 1989, também vão curtir esta malha.

Trail Of Lies - Master Of My Destiny - Quanto mais ouço esta malha mais dificuldade tenho em falar dela. Já tinha visto o nome e a capa a circular pelas interwebs e quando ouvi pela primeira vez pensei para comigo... "Nope, isto é xunga e a voz do gajo é má demais". Mas depois fui ouvindo durante a semana e a voz que continua terrível deixou de me fazer tanta confusão, os riffs à 90s até têm uma cena qualquer que me agrada, em especial a parte depois do primeiro refrão com o riff do tananan, tananan... Já vi que estes americanos vão tocar no Sound of Revolution. Depois contem se foi fixe ou não.

Hawthorne Heights - Pink Hearts - Esta é daquelas bandas que estão naquele saco onde estão aquelas bandas que quando me perguntam, "conheces a banda x?" e eu respondo "claro que sim!" sendo seguido de um "mas já ouviste?" que é rapidamente retorquido com um "claro que não!". Ia jurar que isto era uma banda de Metalcore. Mas esta música não é metalcore. É sim um Pop Punk fofinho daquele que eu gosto e que me faz perder bué pontos na cena e que um dia me irá custar o despedimento com justa causa por parte do chefe de redação Tiago. Até lá, vou metendo de surra uma malha ou outra destas. Diz que ele não tem Spotify. Enquanto assim for... estou safo.

Sex Prisoner - Dark Mind - Se estão bem lembrados, na semana passada coloquei aqui uma malha de Harm Done do split com Sex Prisoner. Agora ponho aqui uma malha de Sex Prisoner do split com Harm Done. É isso, até para a semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.


sexta-feira, 2 de março de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #27




Esta semana não estive muito confiante nas escolhas para a playlist, mas à medida que fui ouvindo mais as músicas escolhidas, algumas delas foram crescendo em mim. O que é sempre fixe. Bora!

Code Orange - Only One Way - Pelo que investiguei acerca desta música nova de Code Orange, a primeira depois do terceiro LP (Forever de 2017) que lhes garantiu uma nomeação para um Grammy (?!!), parece que a banda decidiu trabalhar ainda mais e lançar músicas aqui e ali ao invés de trabalhar já no próximo LP. Serão os sinais dos tempos que parecem indicar que o formato LP está morto, numa era em que músicas soltas e playlists parecem ganhar cada vez mais destaque?! A malha em si é à Code Orange. Ao fim de 3 discos a banda já estabeleceu o seu som bruto e ao mesmo tempo melódico (graças à voz da Reba), mas também com aquele toque industrial que ajuda à fritaria. Gosto da parte final. Boa malha!

Great Collapse - Who Makes? - Quando descobri que havia uma música nova de Great Collapse por aí pensei logo: "Yaaa aquela banda que soa a Strike Anywhere... fixe!!". Pois, para os mais distraídos como aqui o je... há uma boa razão para a banda soar a Strike Anywhere... é o mesmo vocalista cacete!!!! Ok, ele aqui não berra tanto, mas as melodias são características dele. E pelos vistos esta banda é tipo supergroup com pessoal de Rise Against e Death By Stereo. Não acredito que me deixei dormir com esta banda. Letras politicas e boas melodias. Vou ouvir este disco com mais atenção. Recomendo bastante.

Giver - Dancing With The Devil - Confesso que desconhecia esta banda da Alemanha e que fiquei muito agradado com a descoberta. Eles tocam um Hardcore moderno na onda de Comeback Kid. Tenho que ouvir com mais atenção, mas para mim são uma lufada de ar fresco na cena Hardcore na Europa. Algo me diz que o Gaiola e o Ludgero (Circa 2008) vão gostar disto.

Anti-Flag - Mr. Motherfucker - Primeiro que tudo tenho a dizer que esta música é um B side, mas também acho que chegavam lá sem ter de vos dizer. O som soa mais a uma demo que outra coisa. Diz que a banda com esta música quis experimentar cenas diferentes a nível de som, tipo diferentes arranjos e andamentos. Não se pode dizer que tenha corrido mal, mas não me parece que seja por aí o caminho.

Harm Done - Anhedonia - Os Harm Done são uma das minhas bandas preferidas da Europa. São sujos, rápidos e barulhentos. Estiveram em tour com os Sex Prisoner, daí este Split com a banda. Acho que era tipo o equivalente a na altura Pointing Finger fazer um split com In My Eyes ou Mainstrike. Fiquei lixado de saber que a edição em vinil tinha tipo literalmente vinte mil cores.... já não dá para pedir ao Alexis um de cada. Ficava com a press toda para mim... Damn it!!

The Lawrence Arms - Warped Summer Extravaganza (Turbo Excellent) - Para quem conhece a banda isto não é uma música nova, mas sim uma versão acelarada de uma das malhas do disco "Oh! Calcutta!" de 2006. A banda acaba de celebrar 19 anos e vão editar este best of no fim do mês. Para quem não conhece é uma boa introdução para esta excelente banda de Punk Rock de Chicago. Até pra semana.

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Review: Turnstile - Time & Space (2018)

 
Serão os Turnstile a banda mais hypada da atualidade? Muito provavelmente sim. Não falo (só) da publicidade que o David faz no Nós Contra Eles (social influencers são assim), mas em termos gerais, e de há uns anos para cá, são possivelmente A banda da moda. Como em tudo na vida ou gostas, ou não gostas, ou até crias aquele ódiozinho de estimação. E sendo uma banda que cai no rótulo de "hype band", mais facilmente se extremam posições.
 
Quando a banda apareceu como side project do Brendan de Turnstile agarrei a onda e os dois primeiros ep's foram aqui bem recebidos, até que sai o Non Stop Feeling e vê-se já a banda a seguir um caminho diferente, sendo que acabou por ser esse mesmo disco a catapultá-los para outro nível de notoriedade e audiência.

Em 2016 saiu novo ep pela Pop Wig já com essa sonoridade bem vincada, e a verdade é que não prestei muita atenção. Levou aquela audição da praxe e foi para a prateleira digital.

Ora o ano passado surgiu a notícia que tinham assinado pela Roadrunner e que havia novo disco na calha. Com uma máquina de marketing diferente começaram a surgir singles, singles com vídeo e armou-se aquela expectativa de que estaria aí uma coisa especial. Especial mas naquele caminho mais experimental que o Non Stop Feeling anunciou e o Move Thru Me confirmou.

Bom, com essa ideia pré concebida de que deveria estar "uma fritaria" (algo que sei que faço várias vezes), dei uma chance ao disco. O David fartou-se de falar no disco e ele estava só a aparecer nas sugestões do Youtube, pelo que teve de ser...

São notórias as diferentes influências em todo o disco, com malhas a cheirar a Bad Brains, outras a rockalhada dos anos 90 e até a algo mais post-punk, sempre com aquela identidade que a banda nos veio a habituar como pano de fundo. A verdade é que conseguiram condensar toda esta diversidade num disco de 26 minutos dividido por 13 faixas.

Continua a ser um disco de hardcore, mas um que foge dos clichés e do mesmo som que é feito há trinta anos. Hey, e vocês sabem qual é o "meu" hardcore...
 
A verdade é que gostei bastante e sou obrigado a meter isto numa short list para os melhores discos do ano. A verdade é que já o ouvi várias vezes de início ao fim e começo a pensar se não será o melhor disco que já fizeram. Se vai ser um disco que irá passar o maior teste de todos, o do tempo, é uma questão que fica no ar, mas acredito que o possa ser, quer pela coragem quer pela originalidade.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #26


Esta é uma semana onde não encontrei assim tantas novidades, sendo que teria de repetir algumas bandas das últimas semanas. Por isso, decidi recuar um pouco mais no calendário e ir buscar malhas de bandas que editaram o disco respectivo no ano passado, mas antes de ter começado a playlist. Vamos a isso.

Combust - Combust - O Alexis da Straight & Alert anda sempre em busca de bandas novas e uma das que encontrou foram estes Combust de NYC. Se não vos dissesse que eram de NYC acho que adivinhavam na mesma e provavelmente diziam-me que isto era uma demo perdida gravada pelo Don Fury no final de 80/inicio dos 90. Tem todos os ingredientes para dar certo, groove, sujidade qb, capa com um desenho xungoso e aquele vibe Breakdown tão apreciado por muitos de nós. Espero que a banda não acabe daqui a uns meses. Podem fazer o pre-order aqui.

Satanic Surfers - The Usurper - Os Satanic Surfers foram uma das primeiras bandas Punk Rock da Suécia que ouvi. Já não me recordo bem, mas tenho ideia de ter ouvido primeiro que No Fun At All e Millencolin (o trio Odemira do Punk Rock da Suécia?!). Mas uma coisa que sempre me fez bué confusão era o vocalista ser o baterista. A banda que durou até 2007 se não me engano e que voltou em 2014 anunciou há uns tempos que vai editar um disco novo em 2018 (13/04). Soa a Satanic Surfers da fase mais posterior da banda. Eu por acaso sou mais fã das cenas iniciais e do trio de LPs (Hero Of Our Time, 666 Motor Inn e Going Nowhere Fast), acho que foi a fase em que a banda estava no ponto. As cenas mais recentes fazem-me lembrar um pouco Rise Against. Não é que seja mau, mas devia-me fazer lembrar mais Satanic Surfers.

Discrepancy - Thoughts Are Things - Uma coisa é certa, a Youngblood Records sempre se manteve fiel às suas raízes. E uma coisa que a editora sempre foi boa foi em "descobrir" boas bandas de Youth Crew. Muitas vezes bandas antes de editar um LP a sério por uma editora maior, primeiro lançaram um EP pela Youngblood (Carry On ou Striking Distance por exemplo). Estes Discrepancy são de Orange County e como seria de esperar soam um pouco a Insted. A voz às vezes podia estar um pouco melhor, especialmente nas partes melódicas, mas vejo aqui potencial para melhorar.

The Last Gang - Nobody's Prostitute - De todas as bandas novas da Fat Wreck com uma miúda na voz esta é talvez aquela que mais me parece colada a Distillers. Não que isso seja mau, mas das músicas que ouvi esta parece ser a banda menos "original" de todas. Ou pondo as coisas de outra maneira, parece-me ser a banda que não tem uma característica diferente que a torna diferente das outras. Se calhar tenho que ouvir com mais atenção. O disco novo já saiu. Podem ouvir no Spotify se estiverem para aí virados.

Odd Man Out - Judged / Won't Be Silenced - Diz que os Odd Man Out são do estado de Washington, DC e são uma banda Straight Edge que vai fazer uma tour europeia este verão e que até são capazes de passar pelo sul de Portugal. Mais informações acerca disso em breve. De resto, vale a pena ouvir este veneno cuspido com raiva. Boraaaa!!

American Nightmare - American Death - Acho que vai ser fácil adivinhar que este vai ser um dos meus discos do Top 5 deste ano. Não soa a AN antigo, pois não, estamos em 2018, não em 2002. Sim, o Wes já não berra que nem um desalmado, mas no disco de Give Up The Ghost também não e não deixa de ser um grande disco. O meu único senão em relação a este novo lançamento é que tem só 9 malhas. Acaba por saber a pouco. Mas ainda bem. Até para a semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #25




Semana #25, vamos a isso...

Turnstile - I Don't Wanna Be Blind - Esta é já se não me engano a 4 música nova de Turnstile que eles divulgam do disco novo que sai de hoje a uma semana (23/02). É talvez a menos orelhuda das 4 músicas e a que foge um pouco mais, ou então não. O que é certo é que não é das que entra à primeira. Mas à medida que fui ouvindo mais vezes durante a passada semana, mais fui curtindo. Novos pormenores fui descobrindo e isso para mim é muito bom quando acontece. Tenho a certeza que este vai ser dos meus discos preferidos de 2018.

The Wonder Years - Sister Cities - Os TWY vão editar o disco novo pela Hopeless Records dia 06/04, mas já disponibilizaram o primeiro single. Quantas mais vezes ouço esta música, mais me faz lembrar Alkaline Trio. Tem todas aquelas características de ALK3 clássico, lick de guitarra no inicio, parte de baixo bateria e voz no verso com aquele ritmo do tanana tanana tanana... Quem conhece bem ALK3 vai perceber. E isso é mau? Negativo, a música é boa e entra no ouvido rapidamente. E nesta onda às vezes é o que se quer. Ao vivo a banda é muito boa. Fiquei com pica para ouvir este novo disco.


Blacklisted - Dry Shaving - Parece que no verão passado, duas músicas que ficaram de fora do último disco de Blacklisted por serem demasiado diferentes do resto do disco foram editadas num flexi pela Six Feet Under. Ouvindo esta Dry Shaving sou capaz de perceber porquê. No entanto ainda bem que a colocaram cá fora. Blacklisted merece sempre ser ouvido.

Rapture - Talk Is Cheap - Os Rapture são de Leeds e para os mais distraídos (como é o meu caso) editaram um 7" bastante interessante no ano passado. A cena do UK parece ser neste momento das mais sólidas não só na Europa como a nível mundial quando se fala de Hardcore. Youth Crew hardcore, mas sem ser cliché chato, com uma miúda a cantar que dá ao disco aquele toque extra que faz logo a banda ser mais interessante. Fans de Straight Ahead, Insted e Uniform Choice, ou seja pessoal com mais de 35 vão achar muita piada a isto.

Rolo Tomassi - Aftermath - Tive a oportunidade de conhecer a banda aquando da passagem por cá a fazer o suporte dos While She Sleeps no inicio de 2018 e confesso que fiquei fã. Se eles não fossem todos tão simpáticos e easy going se calhar não prestava tanta atenção à banda, mas a verdade é que acho que ganharam um fã. Os trabalhos iniciais da banda eram muito mais mathcore ou lá como se chama, com riffs nervosos e mudanças de tempo bruscas. Basicamente era uma fritaria. A julgar por este single, estão a entrar por um caminho mais melódico. Pessoalmente gosto. Espero que vocês também.


Game - Game - Querem mais um bom exemplo de como a cena no UK neste momento é das melhores no mundo? Ouçam primeiro Game, depois se vos disser que é a boss da Quality Control a Ola a cantar vocês acreditam?! Eu só me apercebi quando fui investigar mais sobre a banda. Hardcore sujo e cheio de veneno, letras em inglês e em polaco. E com este veneno todo ficamos por aqui. Até pra semana!

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Nós Contra Eles no Spotify #24



A semana #24 tem um bocadinho menos de Hardcore que o normal, mas estamos preparados para receber os vossos e-mails de protesto, os vossos tweets enraivecidos e coise... Siga! 

Dead To Me - Fear Is The New Bliss - Os Dead To Me são uma das novas bandas de Punk Rock que mais gosto, mas a brincar a brincar já têm mais de 10 anos. E desde o primeiro disco que cada disco novo teve mudanças de line-up o que não ajudou à estabilidade da banda. Parece que o vocalista/baixista "Chicken" sempre teve alguns "substance abuse issues" o que pode explicar alguma coisa. O que é certo é que a banda está de volta para o quarto longa duração e este é o primeiro single. Não é a melhor música deles, mas tem aquele ritmo de bateria mais "dançante" no refrão que lhe é característico. Esta vem com vídeo e tudo. Enjoy! P.S. - Depois de ver o vídeo e ler a letra ainda gosto mais da música. Vêm aí um bom disco!
 

We Were Sharks - Hotel Beds - Nem sei bem por onde começar. Quando me deparei com esta música pela primeira vez durante a semana passada não conhecia nada acerca da banda (não é como se agora soubesse grande coisa) e fiquei surpreendido com uma boa malha Pop Punk. Tudo certo, esta pode ir para a playlist, o Tiago vai adorar, pensei eu. Depois fui pesquisar um pouco e descobri que a banda é da Victory Records. Sim estamos em 2018 e a Victory Records não só ainda existe como edita bandas de Pop Punk. Vi também que a banda tem um vídeo desta música nova e obviamente como bom profissional fui ver para completar a minha pesquisa. Não é que o vídeo seja mau, que não é. Cumpre os objectivos a que se propôs. O que me fez mais confusão é que os membros da banda estão claramente velhos demais para tocar este tipo de som. Não estou a querer soar close minded, mas parecem os irmãos mais velhos dos Neck Deep ou algo do género. Após o choque inicial pensei para comigo, deixa de ser parvo que isto bem que podias ser tu se aquela banda de Punk Rock tivesse ido para a frente ou se Clean Break algum dia gravasse um vídeo. E pronto é isso. O disco sai dia 23.02 e é certo que irei ouvir. Aqui fica mais um vídeo.


Linda Martini - Boca de Sal - Hoje em dia, e o Rafael Madeira que me perdoe, acho que sou capaz de conseguir dizer que até gosto de Linda Martini. Pelo menos as cenas que tenho ouvido têm-me despertado o mínimo interesse. Nunca irá ser a minha banda preferida, mas acho que lhe consigo atribuir o devido valor. Esta música nova parecem duas coladas e também tem vídeo. Aqui vai ele...


Tiny Moving Parts - Applause - Tinha ideia que esta banda era um pouco diferente, mas provavelmente estou a confundir com outra banda. Estes tocam um Pop Punk com guitarras um pouco mais trabalhadas. Já ouvi o disco novo um par de vezes e curti. 

Razorbumps - Make You Bleed - Este disco já saiu há algum tempo pela Pop Wig, a editora dos Turnstile, Angel Du$t, Firewalker, etc e é aquele Post Punk bem freaky. Tem a sua piada.  

Sannyasin - Firewalker - Para mim os Sannyasin são a melhor banda de Hardcore portuguesa de sempre a par de X-Acto. Finalmente com a discografia disponível no Spotify. De ouvir no repeat vezes sem conta. Até prá semana! 

Esta playlist será atualizada às Sextas-feiras, por isso façam Follow no Spotify e fiquem a par das novidades. Os updates na playlist serão acompanhados por um post no blog para vos aguçar o apetite e saberem ao que vão.